[SUB 16M] GDEMAM 55 x 64 CB Queluz

Campeonato Distrital – Série C2 – LISBOA

Para leigos, a série A2 é a 1ª divisão, a série B2 é a 2ª divisão e a série C 2 é a 3ª divisão…portanto nada está em jogo….

Sobre o jogo em, si não há muito a dizer. O Queluz venceu, merecidamente, pois a equipa do Algueirão não foi capaz de dar a volta ao prejuízo acumulado no 1º período. Os resultados parciais foram respetivamente de 12 – 18, 14 – 16, 10 – 14 e 19 – 16, pelo que se pode facilmente constatar que a equipa da casa só conseguiu ser superior no 4º período. Para finalizar este jogo, resta acrescentar que alinharam e marcaram respetivamente Guilherme Abreu, Ivan Carapinha, 7 pontos; Fábio Mesnier; Francisco Bernardo, 7 pontos; Jorge Pereira, 4; Alfredo Pereira, 2; Diogo Vicente, 7; Martim Melo, 19; Sebastião Almeida, 7; Ricardo Mendonça, 2 pontos.

Foi mais um jogo em que não houve equipa de arbitragem nomeada pela Associação de Basquetebol de Lisboa. Foram os “carolas” do costume a apitar o jogo, para que os jovens praticantes não se levantassem cedo da cama, ingloriamente, para não jogar. Vou-me abster de comentar o comportamento do público, pois sobre essa matéria nada tenho a referir – não sou psicólogo ou psicologista.

Dos “carolas” do costume, gostaria de salientar um jovem praticante de basquetebol, nascido em 2001, e que por força das circunstâncias joga no GDEMAM. Este jovem praticante dá pelo nome de MIGUEL BERNARDO – mas poderia ser Adriana Rosa, Ana Pinheiro, Guilherme Portela, Miguel Correia, etc., etc., etc. Este jovem praticante foi convidado a apitar um jogo que, pelo menos no entendimento da equipa da casa, não contava para nada, mas para outros e para quem esteve sentado no banco da equipa visitante, aparentemente contava para muito!!!! E nesse sentido, a pressão que foi colocada pela equipa visitante, nos ombros desta criaça de 10 anos foi de tal ordem, que com muita pena nossa ele deixou o recinto de jogo em lágrimas, não por entender que estivesse a fazer um mau trabalho, mas não conseguiu lidar e perceber a pressão que lhe estavam a colocar em cima, pois os “adultos” do banco da equipa visitante não quiseram descer até ao nível dele e exigiram que fosse ele a subir ao nível dos “adultos”.

Mal vai o desporto em Portugal, quando pessoas nascidas em 1961, 1971 ou 1981, não é importante, esperam e exigem que sejam os jovens nascidos em 2001 a ascender à sua posição, e não ao contrário, serem essas pessoas a descerem ao nível deste jovem voluntarioso, amigo e sempre disposto a ajudar e a colaborar. Mal vai o desporto em Portugal, quando pessoas nascidas em 1961, 1971 ou 1981, não é importante, vivem a semana amarguradas, infelizes e descontentes, e depois se servem destes jogos para exarcebar toda a sua amargura, infelicidade e descontentamento em cima de jovens inocentes, voluntariosos e amigos.

A todos os Migueis Bernardo, Adrianas Rosa, Anas Pinheiro, Guilhermes Portela e Migueis Correia, nós, os “carolas” do costume, estamos convosco, sempre a apoiar-vos incondicionalmente, sem pressões, sem falsos argumentos, pois temos consciência de que todos somos poucos e só através do trabalho sério, honesto e esforçado, conseguiremos atingir os nossos objetivos. Não desculpamos as nopssas falhas com os vossos erros.

Mas como dizia o Magic Johnson,” todas as crianças precisam é de uma pequena ajuda, um pouco de esperança e alguém que acredite neles“. Nós, os “carolas” do costume, vamos continuar a acreditar, e vamos continuar a trabalhar para que o mundo e o desporto assim seja. BEM HAJAM Migueis Bernardo, Adrianas Rosa, Anas Pinheiro, Guilhermes Portela e Migueis Correia por existirem, por acreditarem e por nos continuarem a ajudar incondicionalmente.