À conversa com… Andreia Ferreira

Periodicamente vamos entrevistar alguns jogadores/jogadoras entre os vários escalões. Desta vez, a atleta entrevistada foi a Andreia Ferreira (sub16/19F). Estas foram as suas respostas:

sub16_19FNome: Andreia Correia Ferreira
Escalão: sub16/19F
Data de nascimento: 22/06/1999

– Há quanto tempo praticas basquetebol?
Pratico basquetebol há cinco anos.

– Quais são os teus ídolos no Basquetebol?
Tenho vários jogadores dos quais sou fã, uns pelas suas capacidades e outros pela vontade e pela entrega, que fazem, por vezes, fazê-los parecer não humanos. Jogadores que jogam com lesões ou que, apesar de terem várias e várias lesões, nunca desistem e comprovam-no com grandes momentos.
Monta Ellis
Kobe Bryant
Brandon Jennings
John Wall
J.R. Smith

– Qual foi o teu momento mais feliz enquanto jogador de basquetebol?
O basquetebol é feito de bons e maus momentos, mas o melhor momento num jogo de basquetebol é quando temos aquela vitória interior, do dever cumprido, mesmo que percamos o jogo na realidade, e penso que ter esse sentimento essa satisfação é o melhor, é o momento mais feliz que vamos tendo, por vezes quando ganhamos um jogo não temos esse sentimento de vitória porque no fundo não houve barreiras que tivéssemos que quebrar.

– Que mensagem gostavas de transmitir à tua equipa?
A mensagem que quero transmitir é que tudo se consegue com trabalho, que se nos aplicarmos em cada treino, no jogo estaremos ainda melhores. Se nos unirmos todas, conseguimos fazer o resto de uma segunda volta na Taça Nacional melhor do que a primeira, mas tudo requer força de vontade e muito trabalho, pois o trabalho é chave para tudo. E citando o Lebron James num texto com que me identifico “I hate letting my teammates down. I know I’m not going to make every shot. Sometimes I try to make the right play, and if it results in a loss, I feel awful. I don’t feel awful because I have to answer questions about it. I feel awful in that locker room because I could have done something more to help my teammates win.

– O que julgas ser necessário para que um jogador ganhe o seu “espaço “ e consequentemente “tempo de jogo” no seio de uma equipa de basquetebol de competição?
Na minha opinião, um jogador para conseguir “espaço” e “tempo de jogo” precisa de querer. Se houver força de vontade e muito trabalho, nada é impossível.
No basquetebol nada é fácil e quando chegamos ao nosso limite é apenas o começo de trabalhar no duro para quebrar as barreiras que são postas por nós próprios, porque desistir nunca é opção, é preciso ter a coragem de ir mais longe, e se tivermos a disciplina, o querer, e a vontade de sermos grandes, então as recompensas são ilimitadas.

– Qual é a tua opinião relativamente à conciliação entre as vertentes treino/jogo e o rendimento escolar
É complicado conciliar ambas as coisas, é claro que é cansativo chegarmos tarde a casa depois dos treinos irmos estudar ou algo assim, mas é preciso organizar os horários, cada vez é mais complicado mas nunca se desiste de algo que nos faz feliz!